domingo, 6 de dezembro de 2015

Cântico, de Ayn Rand

Cântico é a segunda obra de ficção de Ayn Rand. É uma novela de menos de 100 páginas, escrita em 1937 e publicada em 1938. Foi publicada agora no Brasil pela Vide Editorial.

Em um futuro distante, uma humanidade dominada pelo coletivismo regrediu a um estágio pré-tecnológico. As pessoas, completamente submissas ao Estado, vivem em residências coletivas e não possuem qualquer traço de individualidade. Não existem famílias. O Estado determina a ocupação de todos, de maneira irrecorrível. A palavra “eu” foi abolida e só existem pronomes pessoais no plural. Os nomes das personagens, escolhidos pelo Estado são, por exemplo, Igualdade 7-2521, União 5-3992 ou Coletivo 0-0009.

Nesse cenário sombrio, o jovem Igualdade 7-2521, amante do conhecimento, é designado para ser um varredor de rua. Executando seu trabalho tedioso, descobre um dia um túnel construído em uma era perdida no passado. Dentro do túnel, encontra materiais e instrumentos tecnologicamente avançados, desconhecidos no seu tempo. Consegue fugir de tempos em tempos da sua rotina opressiva e se esconder por uma ou duas horas nesse túnel, onde faz experiências científicas, até que redescobre a eletricidade. Os coletivistas têm a incompetência tão arraigada que não é difícil lutar contra eles.

Conforme o tradutor André Assi Barreto, o título Cântico (em vez de Hino, que também serviria para Anthem) indica que a celebração do indivíduo nesta obra tem características religiosas, de veneração.

A história é muito simples e leve. Para quem não conhece a ficção de Ayn Rand, é um bom título para começar. Quem já conhece A Revolta de Atlas ou A Nascente vai ver como evoluiu o estilo da autora.



Pixuleco na Globo



Neste domingo, 6 de dezembro, durante a 17ª Volta Internacional da Pampulha, houve protestos pelo impeachment ao longo da prova. Um manifestante entrou na pista fantasiado de Pixuleco, logo depois da passagem dos líderes. Correu alguns metros, o suficiente para ser filmado pela Globo.

Vejam a reação do narrador. Só assim para o Pixuleco aparecer na Rede Globo.

video

domingo, 29 de novembro de 2015

Direita e esquerda

Este post de Caco Tirapani expressa exatamente o que penso sobre os termos “direita” e “esquerda”. Não acredito que exista um “espectro político”. O que se chama de “extrema direita” são exatamente os piores inimigos possíveis do que se chama de “direita liberal” e de “direita conservadora”.

As bases teóricas da esquerda — Rousseau, Kant, Marx — são um conjunto de falácias, de raciocínios errados e facilmente refutáveis. Uma vez excluídos esses erros, não sobra nada do pensamento de esquerda. Mas o que sobra é heterogêneo demais para ser colocado em uma única categoria.






O problema dos intelectuais é que estão todos, mais ou menos, imersos numa metanarrativa de esquerda. Ainda que eles próprios não sejam de esquerda, eles veem o mundo sob as grossas lentes do imaginário de esquerda. Isso ocorre porque a esquerda tem a primazia da narrativa política, porque ela se desenvolveu historicamente como um movimento internacional. O socialismo e seu imaginário vão, aos poucos, substituindo a metanarrativa cristã, e estabelecendo uma nova ordem, um novo céu e uma nova terra. Nesse processo, serão transformadas as coisas e as palavras sobre as coisas.
A esquerda, desde a revolução francesa até Marx, já era um grupo com uma certa identidade revolucionária transmitida no tempo e no espaço. Existe certa continuidade intelectual e identitária entre cada geração revolucionária, prova disso é que Lênin dizia que Marx tinha em Robespierre uma de suas principais influências. A unificação da esquerda ao redor das ideias de Marx a partir de 1848, e principalmente depois de 1917, forneceu a ela a primazia da narrativa da história. Essa primazia e continuidade permitiu à esquerda estabelecer os termos do discurso político, a esquerda conquistou o poder de nomear (e renomear) as coisas, e narrar a história.
Uma prova disso é que a esquerda nomeia todos os seus adversários, por mais diferentes que o sejam, pelo mesmo nome infame: "a direita". Desde monarquistas católicos, ao regime nazista, passando por teocracias islâmicas, keynesianos reformistas, liberais anglo-saxões, e a classe-média paulista, tudo é "de direita". Esta afirmação persiste devido a essa primazia da esquerda como tutora do pensamento. Aceitar essa identidade imaginária é estar sob a curadoria intelectual da esquerda. É narrar a história sob uma perspectiva teórica de esquerda - ainda que a sua perspectiva política pessoal não a seja.
E é aí que entraria o papel do historiador crítico ao compreender e afirmar que a noção de "direita" constitui uma diversidade de quaisquer coisas que não sejam de esquerda. Ou seja, não é exatamente uma coisa definida, mas é um conjunto universo discriminado por exclusão, ou pela diferença do conjunto "esquerda". Não estamos falando de um movimento político, estamos falando de uma imensa confusão de coisas. Essa confusão não deriva dos diversos acidentes de uma mesma substância, mas de uma confluência de acidentes de várias substâncias diferentes - as várias "direitas". Essa confusão é útil a quem a estabeleceu, porque impede o homem comum de compreender a política fora da curadoria intelectual da metanarrativa de esquerda.



Caco Tirapani é professor de História.
No Facebook: https://www.facebook.com/cacotirapani
Post original: https://www.facebook.com/cacotirapani/posts/908315772579139

sábado, 28 de novembro de 2015

80 anos da Intentona Comunista



Completaram-se nesta semana 80 anos da Intentona Comunista. Em 23 de novembro de 1935, militares comunistas se rebelaram em Natal, onde estabeleceram um governo provisório. Houve levantes em Recife, no dia 24, e no Rio de Janeiro, no dia 27. Os revoltosos foram derrotados rapidamente, não sem antes fazerem muitas vítimas entre os militares legalistas.

Este texto do Coronel Reformado do Exército Brasileiro Marco Balbi é um testemunho pungente da cerimônia realizada no Rio de Janeiro para lembrar dos mortos pela violência política dos que queriam transformar o Brasil em uma ditadura comunista.

Mais fotos da celebração podem ser vistas aqui.

80 ANOS SE PASSARAM! E ELES NÃO SE DESCULPARAM!
Não há como participar da solenidade em que se homenageiam os mortos na Intentona Comunista de 1935 e não se emocionar. Ao ouvir a chamada nominal dos militares cujos restos mortais encontram-se depositados no mausoléu erigido especialmente com esta finalidade e responder PRESENTE, em uníssono com todos, assistência e tropa, após a anunciação dos nomes, o toque de silêncio pungente do clarim e a salva de honra fazem a alma do cidadão, antes mesmo da alma do soldado, sofrer um frêmito. Não importa quantas vezes você tenha assistido, na ativa ou na reserva, esta será a sensação.
Lembremo-nos que cerimônias semelhantes ocorrem nas cidades de Natal e do Recife onde muitos tombaram, civis e militares, sem que até hoje a história tenha precisado o número. E o Rio de Janeiro, então Capital Federal, onde pretendiam obter pleno êxito. Foi a primeira tentativa de tomada do poder. Não alcançaram sucesso, mesmo agindo traiçoeiramente, assassinando companheiros dormindo, mercê da reação da tropa e da absoluta falta de apoio da sociedade.
Os comunistas tentariam novamente, sendo rechaçados mais uma vez pela reação democrática de março de 1964. Os comunistas retornariam com ações armadas, desencadeando uma guerra interna no período 1968/1974. Os agentes do Estado reagiram e contando com o apoio da sociedade os derrotaram, militarmente. Os comunistas, anistiados, retornaram as suas atividades e reescreveram a história. Mas, como ontem, continuam sendo repudiados pela maioria da sociedade brasileira.
A alocução que principiou a cerimônia frisou esta mensagem, valendo-se do exemplo da história, como ensinamento para as atuais e futuras gerações: o Brasil e os brasileiros não aceitam ideologias estrangeiras espúrias, cujos princípios não se coadunam com os da imensa maioria do povo brasileiro, onde as Forças Armadas selecionam os seus quadros funcionais.
80 anos se passaram! Muitos partidos políticos com ideologia exógena nos seus postulados participam da vida nacional. Quase todos têm a sua origem nas primeiras agremiações comunistas, as mesmas que causaram as mortes que ainda hoje se pranteia. Nunca se desculparam!
As Forças Armadas, ativa e reserva, homenagearam hoje os seus membros que morreram pela Pátria. Poucas profissões no mundo obrigam este supremo sacrifício aos que nelas se engajam. Jovens soldados, experientes chefes militares, em expressivo número, cumpriram com o seu dever cívico nesta ensolarada manhã. Não os esqueceremos, jamais!

Marco Antonio Esteves Balbi – Coronel Reformado EB



domingo, 1 de novembro de 2015

Haddad e Suplicy na Livraria Cultura



O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, esteve no último 24 de outubro no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura, para uma sabatina da Rádio CBN. O evento foi apresentado por Fabíola Cidral, com participação de Renata Lo Prete, Fernando Abrucio e Leão Serva.

Vou comentar o debate, mas a parte mais importante aconteceu fora do auditório. O Movimento Brasil Melhor estava lá aguardando a saída do prefeito, com bonecos do Pixuleko, faixas e cartazes. A pequena manifestação cresceu rapidamente, com a adesão de muitos clientes da livraria.

Quando o ex-senador Eduardo Suplicy saiu, foi para o lado contrário de onde estavam os manifestantes e começou a dar alguns autógrafos. Foi vaiado e chamado de “Suplicy, vergonha nacional”, título bastante adequado e suave, na opinião deste escriba. Enfurecido e parecendo estar fora de si, o Secretário Municipal de Direitos Humanos e Cidadania investiu contra os que protestavam, cobrando satisfações e demonstrando seu particular entendimento do que são direitos humanos e cidadania. Outro secretário presente e vaiado foi Jilmar Tatto, dos Transportes.

Exatamente quando o prefeito saiu, cercado de incontáveis seguranças, um de seus apoiadores deu um empurrão em Celene Carvalho, do Movimento Brasil Melhor, provocando uma discussão e dando chance de Haddad se evadir mais facilmente.

O protesto foi gravado pelo Estúdio Fluxo, de Bruno Torturra, ex-Mídia NINJA (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação), que se tornou tristemente famoso pela cobertura das manifestações de 2013. Mesmo editado por adversários, o vídeo é ótimo e mostra claramente o que aconteceu.


Um cliente da livraria gravou e editou este pequeno vídeo sobre o empurrão.


Conversei com Celene Carvalho. Quis saber sobre a informação de que ela é filiada ao PSOL e foi candidata à prefeitura de São Lourenço-MG pelo partido. Segundo ela, por causa de uma grave crise política na cidade, ela decidiu se candidatar à prefeitura e não conseguiria fazer isso em nenhum partido que já existisse em São Lourenço. A única alternativa era o PSOL. Foi à casa de Plínio de Arruda Sampaio. Disse a ele que tinha total discordância das idéias do partido, mas precisava da legenda para se candidatar e lutar contra uma situação de descalabro. Ela diz que Plínio entendeu e concordou. Na eleição, Celene teve menos de 2% dos votos. Depois, não conseguiu se desfiliar do PSOL. Agora, segundo Jean Wyllys, será expulsa. Ser atacado pelo nobre deputado bebebista é um fato que enriquece a biografia de qualquer pessoa.



Agora, algumas observações sobre a sabatina, que acompanhei do início ao fim, com grande estoicismo.

Metade da platéia estava ocupada pelos convidados do prefeito. Muitas pessoas também se mobilizaram para assistir, algumas representando entidades.

A maior parte do público não era exatamente simpática ao prefeito. Logo no início do programa, quando Fabíola Cidral disse que, em alguns órgãos de imprensa estrangeiros, Haddad é chamado de visionário, as pessoas reagiram imediatamente.

O prefeito abusou da arrogância e provocou o público em diversas ocasiões. Quando se referiu ao Secretário de Educação Gabriel Chalita, disse que ele não era criticado antes quando era do PSDB, causando uma veemente resposta contrária do público. Em determinado momento, quando uma pessoa o chamou de autoritário, o prefeito disse que autoritário é quem é contra o fechamento da Avenida Paulista aos carros, que em sua novilíngua é chamada de “abertura”. Ou seja, autoritário é quem não pensa como ele. Achei notável sua declaração explícita e repetida, referindo-se ao Uber, de que ele é contra o livre mercado, que o livre mercado não funciona para o transporte.

Um cidadão humilde fez uma pergunta sobre a falta de linhas de ônibus em seu bairro. Dizia governo “estatal” querendo dizer “estadual”. Haddad o corrigiu! Tentou aproveitar o gancho da referência ao Estado para fugir da pergunta, dizendo que sempre era cobrado por problemas que não são do Município. Fugir das perguntas foi uma constante ao longo do programa, de uma forma que irritou os entrevistadores e o público.

Outro homem simples, representando as empresas de recolhimento de entulho, chegou a chorar ao perguntar sobre a possibilidade de adiamento de uma regulamentação do setor, que entrará em vigor neste dia 2 e que ameaça fechar quase todas essas empresas. Mais uma vez, Haddad enrolou e não disse nada.

Contrastando com essas pessoas, ouvem-se dois membros da esquerda caviar bajulando a administração. Só por aí fica muito claro de que lado está a “elite” (entre aspas, porque elite é outra coisa, elite é o que há de melhor) e de que lado está o povo.

Não ouçam o programa se não quiserem. Não vão perder grande coisa.



E vaiem os petistas e “ex-petistas”, especialmente em eventos públicos. Vaiem com vontade, dêem-lhes as costas, não os deixem falar. O tempo de ouvir ou conversar já acabou. É hora de tirar o PT e suas metástases (Rede, PSOL, PC do B etc) da vida nacional. 

domingo, 25 de outubro de 2015

Entrevista com Renan Santos, acampado em frente ao Congresso Nacional



O Movimento Brasil Livre está acampado no gramado do Congresso Nacional desde 18 de outubro, para pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a dar uma resposta sobre a admissibilidade dos pedidos de impeachment de Dilma Rousseff. Conversei com Renan Santos, um dos coordenadores nacionais do MBL, sobre essa ocupação.

Renan Santos
Reaçonaria: Renan, fale sobre o objetivo do acampamento.

Renan Santos: O objetivo fundamental é o seguinte: a gente quer trazer de volta a agenda do impeachment para uma imprensa que só quer falar do Eduardo Cunha. A imprensa quer negar que seis milhões de pessoas saíram às ruas nas manifestações. Quer negar que o brasileiro quer o impeachment da Dilma, e só fala do Eduardo Cunha. Então, já que eles querem ignorar a gente, a gente vai ter que tornar isso extremamente incômodo. A gente abriu uma faixa que já foi colocada aqui no Congresso pedindo “Impeachment Já!”, uma faixa gigante, de 60 metros. Estamos acampados e o acampamento não pára de crescer. Ao longo dessa semana a gente cobriu uns 70% do gramado, já. Aí, como é que eles vão poder ignorar?

O objetivo é pautar e, pautando, obter a resposta do Eduardo Cunha, positiva ou negativa, com relação ao acolhimento do pedido de impeachment. Se for negativa, ele vai ter um problema bem na porta dele. Se for positiva, vamos pressionar também para que o impeachment seja votado o mais rápido possível e que a gente obtenha a vitória.

Não sou da opinião de que a gente tenha que fazer mega manifestações novamente nos fins de semana, com todo o respeito pela história que a gente construiu. Mas já está muito claro para todo mundo que o brasileiro está insatisfeito. Não precisa fazer outro grande evento para provar que, em todas as regiões do Brasil, as pessoas não querem mais a Dilma Rousseff. Acho que agora a gente precisa fazer uma pressão incômoda mesmo.

Reaçonaria: Você concorda comigo que é necessário pressionar em qualquer lugar, pegar as pessoas de surpresa, fazer atos que sejam constrangedores para seus alvos?

Renan: Sim, concordo. Tanto que a gente está subindo o tom um pouco. No termômetro de pressão, a gente vai aumentar um pouco agora. A gente teve um pequeno conflito com o Renan Calheiros para conseguir, mas a gente hoje tem autorização do Congresso para estar aqui. É uma coisa inédita. Ninguém nunca fez isso antes. É a primeira vez na história do Brasil que acampam no gramado do Congresso Nacional. 

Reaçonaria: Quantas pessoas mais ou menos estão aí hoje? 

Renan: Agora, umas 50.

Reaçonaria: E como esse número tem variado no tempo? Aumenta e diminui?

Renan: Não, está em progressão. Começou com 15 pessoas que invadiram. Nem todo mundo quer participar de uma invasão, sabendo que pode ter confronto com a polícia. Depois, as pessoas vão vendo que o acampamento está estável, tem banheiro químico, tem até sofá agora! O pessoal de Brasília cada hora vai trazendo uma coisa.

Reaçonaria: O banheiro químico foi fornecido por algum governo?

Renan: Não, não! Pedimos doação e um empresário arrumou e colocou. Igual ao gerador. Pedimos um gerador e já tem um gerador aqui. O tempo todo chegam pessoas trazendo doações. Perguntam, “o que é que eu posso trazer?” e vão ajudando.

Reaçonaria: Tem outros grupos acampados também? Tem muita gente que não é do MBL?

Renan: Acampadas com a gente estão muitas pessoas que são entusiastas da causa e tem os coordenadores do MBL. Tem bastante gente do MBL. Como a gente tem filiais ao redor do Brasil, as pessoas dessas filiais acabam vindo para apoiar. A gente está incentivando todo mundo que defenda o impeachment a vir aqui. Temos sido refratários com relação a alguns loucos que defendem intervenção militar, que tentaram vir aqui. A gente pegou uma autorização para estar aqui.

Reaçonaria: Tem defensores da intervenção militar acampados?

Renan: Não com a gente.

Reaçonaria: Eles estão acampados em algum lugar?

Renan: Tem um outro acampamento em uma praça lá para trás com uns maníacos da intervenção. A gente não tem, nem quer ter contato com eles.

Reaçonaria: A maior parte do pessoal que esteve na Marcha pela Liberdade está com vocês?

Renan: Exato, quase todo mundo. Hoje, chegaram mais dois e é bem legal esse tipo de encontro de todo mundo. A galera da Marcha está em peso aqui, estão vindo muitos coordenadores do MBL, vão chegar mais. A equipe da Bahia chega amanhã, a equipe de Pernambuco chega durante a semana e o resto do pessoal de São Paulo também, hoje chegou gente do Mato Grosso do Sul. É uma confederação, aqui. Tem gente do Brasil inteiro.

A gente sabe, desde a época da Marcha, que existem circunstâncias muito específicas que fazem com que o brasileiro vá para a rua. Tem muita gente que só pode de final de semana. O nosso público é diferente do que foi às ruas em 2013, não é uma molecada que só quer lutar contra tudo e contra todos. Nosso público é um pouco mais responsável. As pessoas têm emprego, estão fazendo faculdade. Então, não podem se envolver em circunstâncias um pouco mais dramáticas como a Marcha ou o acampamento. Mas a gente entende que alguns vão ter que fazer mais sacrifício que os outros. A gente está estimulando as pessoas a virem para se juntar ao acampamento. A velocidade de crescimento está muito boa. Na Marcha, foram 18 pessoas que ficaram do começo até o fim, mas a quantidade foi aumentando. Muita gente começou a aderir a partir de Goiás e tínhamos quase 200 pessoas nos últimos cinco dias. Aqui, como as pessoas já viram que tem água, comida e não vamos ser expulsos, as pessoas estão vindo de forma mais fácil. E, lógico, não precisa andar. É bem mais confortável.

Reaçonaria: Vocês foram hostilizados por alguém, autoridades ou militantes?

Renan: Às vezes passam uns caras meio de longe aqui, do PT, xingam e vão embora. A gente nem dá bola. Políticos, vieram só os da oposição e comeram um pão de queijo na barraca. A gente sabe da responsabilidade de fazer esse processo. Se este gramado estiver cheio, vai ser uma pressão insuportável sobre o Eduardo Cunha. Não vai ter muito como segurar.

Reaçonaria: Como as pessoas podem ajudar? O que você pediria aos leitores da Reaçonaria?

Renan: Primeiro, vir. Vem, acampa, é seguro. Literalmente, a Polícia do Legislativo está cuidando da segurança do pessoal aqui. A gente está conseguindo arrumar comida e água para todo mundo. Tem comida à vontade para a galera. Vir é a primeira coisa.

A segunda coisa é a campanha que colocamos em destaque na página do MBL no Facebook, chamada Adote um Herói. Tem uma conta para doações em dinheiro. Tem pessoas que moram longe e não têm dinheiro para comprar a passagem para vir até aqui. A gente vai lá e compra a passagem para o pessoal vir. Isso já aconteceu com vários. Então, as pessoas que quiserem doar dinheiro, a gente está usando esse dinheiro majoritariamente para comprar passagem para as pessoas virem a Brasília. O povo de Brasília está ajudando bastante o resto da galera que está aqui. A população está sendo super bacana.

E também compartilhar material. É muito importante divulgar na Internet o que está acontecendo aqui. Mas quem quiser ajudar mesmo, ou vem, ou manda dinheiro para pagar a passagem de quem quer vir e não tem.

Reaçonaria: O que você espera do momento político do Brasil?

Renan: O MBL está muito focado nessa briga com a imprensa. Há cerca de quatro semanas, o Eduardo Cunha está claramente sendo alvo de um ataque para destruí-lo e assim enfraquecer a tese do impeachment e permitir que o Lula venha com um possível acordão. É claro que isso não o exime da culpa que ele tem no cartório. E a imprensa ignora tudo o que a gente veio fazendo ao longo do ano para bater na tecla só do Eduardo Cunha. Não gosto de parecer teórico da conspiração, odeio isso, mas é verdade. A imprensa está trabalhando para o governo de uma maneira que eu nunca vi antes. É ostensivo. A imprensa já é uma tropa de choque do governo. A gente tem que virar esse jogo agora. Ocupar o Congresso é uma atitude drástica. Estamos em um local que nunca foi ocupado antes, uma área de segurança nacional. A gente pretende, ao longo das próximas duas semanas, virar a chave da pauta política. Se houver atos todos os dias quando a presidente estiver na frente da Câmara dos Deputados ou do Senado, eles não vão poder ignorar.

Reaçonaria: As pessoas não se dão conta disso, mas nós já vivemos num ambiente ditatorial. Vocês estão aí fazendo um movimento com essa força e a imprensa esconde isso como se aqui fosse a Venezuela ou a Coréia do Norte.

Renan: Vou te dar um exemplo. A gente chamou a imprensa internacional outro dia. A BBC e a France Presse cobriram. Não teve SBT, não teve Globo, não teve Folha, ninguém! Os caras estiveram aqui, cobrem um evento que para eles é menor, mas fazem seu trabalho e a imprensa do Brasil não cobre? É a primeira vez na história que acampam aqui no Congresso. A gente vai fazer com que eles cubram porque a gente vai gerar fatos. A gente pretende mudar a forma como a imprensa está cobrindo porque ela não vai poder ignorar quando a gente começar a fazer barulho na frente do Congresso durante as sessões.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Preconceito contra as Armas, de John Lott Jr.

Chegou às livrarias no mês passado mais um excelente lançamento da Vide Editorial, Preconceito contra as Armas: Por que quase tudo o que você ouviu sobre o controle de armas está errado, de John Lott Jr, traduzido por Flavio Quintela. O autor é talvez o mais importante pesquisador das relações entre criminalidade e as diferentes legislações sobre controle de armas. Sua principal obra é More Guns Less Crime: Understanding Crime and Gun Control Laws, publicada originalmente em 1998.

Em Preconceito contra as Armas, publicado nos Estados Unidos em 2003, Lott analisa diversos aspectos das distorções de informação sobre o assunto de controle de armas. O livro é dividido em duas partes. Na primeira, ele expõe a maneira como as armas são tratadas pela imprensa, pelas entidades governamentais dos Estados Unidos e como os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 influenciaram o debate. Na segunda, discute procedimentos corretos e errôneos para pesquisas sobre armas e analisa três questões sensíveis para o público americano: 1) ataques armados de um atirador contra múltiplas vítimas, 2) segurança de armas em casa e 3) a influência das feiras de armas e da venda de armas de assalto na criminalidade.

O título original é The Bias against Guns. É difícil traduzir “bias” exatamente. Eu também escolheria “preconceito” para o título, mas “bias” significa “viés”, “tendenciosidade”. Existe um tratamento tendencioso de tudo o que se refere à propriedade, posse, porte e uso de armas pelo cidadão comum e até por policiais ou militares. Esse viés é generalizado na imprensa e nos órgãos de governo. Existem inúmeras ONGs desarmamentistas nos Estados Unidos e no Brasil. Grande parte dos argumentos apresentados por essas pessoas e entidades é simplesmente falsa e Lott vai desmontando-os um a um.

Em abril de 2000, o jornal The New York Times publicou uma pesquisa sobre “assassinatos de fúria”, ou seja, assassinatos não políticos de duas ou mais pessoas em locais públicos. Concluiu que esse tipo de crime parecia estar aumentando, que o acesso a armas seria um fator crucial para facilitá-lo e que esse fator podia ser afetado pela legislação. Foram relacionados 100 crimes, dos quais 51 ocorreram entre 1949 e 1999 e 49 entre 1995 e 1999. O fato é que a maioria dos crimes anteriores a 1995 foi simplesmente deixada de fora. John Lott questionou sistematicamente o jornal e os jornalistas envolvidos nas reportagens. Recebeu como resposta apenas tergiversações. Esse é um caso entre muitos. Segundo uma pesquisa que o livro cita, embora apenas metade dos americanos seja favorável a uma legislação mais restritiva contra armas, 78% dos jornalistas a apóiam. O único órgão de imprensa que não é francamente contrário às garantias da Segunda Emenda é a Fox News.

O governo americano, por meio de suas diversas agências, patrocina muitas pesquisas sobre violência, criminalidade e acidentes com armas. Todas elas, sem exceção, procuram estabelecer o mal que as armas podem causar. Não há pesquisas patrocinadas pelo governo que procurem descobrir se, em algum caso, as armas podem causar algum bem. De maneira mais clara, não se pesquisa o uso defensivo das armas. Lott realizou algumas pesquisas detalhadas sobre esse tipo de uso entre 2001 e 2002. Ele afirma que houve 2.300.000 casos de usos defensivos de armas no ano de 2002. Esse tipo de história é ignorado pelo governo e pela imprensa. Os dados estão no livro. Afirmar sistematicamente que ter armas é perigoso, que as armas devem ser mantidas escondidas, desmuniciadas e ou travadas impede em muitos casos o uso defensivo delas e coloca a população em perigo.

Sobre os ataques armados de atiradores contra múltiplas vítimas, Lott afirma que só existe uma medida eficaz para prevenir esse tipo específico de crime e minimizar suas conseqüências. É permitir que os cidadãos portem armas de maneira oculta. Vemos constantes ataques desse tipo em escolas, onde as armas são proibidas.

O livro traz uma comparação muito interessante entre tipos de acidente. Em 1999, 31 crianças menores de 10 anos morreram em acidentes com armas. No mesmo período, o número de crianças nessa faixa etária que morreu por afogamento foi de 750. 523 morreram por queimaduras. 92 morreram por quedas. 81 morreram em acidentes de bicicleta. 1636 em acidentes de automóvel. Que tal proibir as bicicletas?

Estes são apenas alguns exemplos. O livro é muito rico em informações. Tive alguma dificuldade em acompanhar as estatísticas que ele apresenta. Há muitas tabelas para embasar os argumentos. É perfeitamente possível ler o texto sem se preocupar com elas, mas quem estiver procurando dados detalhados vai encontrar.

No Brasil, o debate sobre armas é muito mais conspurcado que nos Estados Unidos. Lá, a Segunda Emenda é um valor respeitado, embora sob ataque. Aqui, em que pese o trabalho hercúleo do Movimento Viva Brasil em fazer esse debate, a voz daqueles que defendem a liberdade do cidadão praticamente não se ouve. Livros como este são fundamentais para permitir que a discussão exista. O povo demonstrou sua opinião no referendo de 2005 e continua demonstrando a cada pesquisa ou enquete que se faz sobre armas. É hora dessa opinião passar a ser considerada pelo Congresso Nacional.

Recomendo Preconceito contra as Armas a qualquer pessoa que queira conhecer mais sobre armas e sua relação com a defesa da vida.

John Lott Jr.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Divirta-se com Pixuleco, o jogo

Meu filho aprovou o game do Pixuleco

Foi lançado neste domingo um jogo online do Pixuleco. Desenvolvido pela Icon Games e inspirado no Flappy Bird, o jogo apresenta o boneco sendo carregado por manifestantes. O objetivo é manter o Pixuleco voando, fugir dos militantes vermelhos armados com facas e pegar o máximo de sacos de dinheiro.

A empresa estuda lançar versões para celulares.

Meu filho aprovou.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Não temais

Lembrar desta estrofe do Hino da Independência me parece particularmente apropriado hoje:

Não temais ímpias falanges
Que apresentam face hostil.
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.








domingo, 6 de setembro de 2015

APABB no Dia do Bem-Fazer


Associados da APABB com seu novo uniforme esportivo completo.

No último dia 23 de agosto, os associados da APABB (Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade) participaram da Corrida Inclusiva do Bem-Fazer. Foi a oportunidade de estrearem os uniformes esportivos que foram comprados com as colaborações da comunidade.

As atividades desenvolvidas pela APABB dão uma nova perspectiva de vida para as pessoas com deficiência e suas famílias. Todos precisamos de sentido para vivermos. A APABB ajuda seus associados a encontrar esse sentido para suas vidas.

O esporte é uma ferramenta poderosíssima para auxiliar no desenvolvimento. Para crianças, jovens e adultos da APABB, o esporte os ajuda a compreender suas dificuldades e a superá-las. Também cria situações para que interajam com as outras pessoas e estimula suas habilidades motoras, de comunicação e de raciocínio.

O evento do dia 23 foi realizado com o apoio de empresas, que forneceram aos participantes um par de tênis, kit lanche, camiseta para a corrida, boné e protetor solar. 

Agradeço a todos que contribuíram para a aquisição dos uniformes.

Vejam este vídeo e saibam mais sobre a APABB:


Assista ao vídeo e conheça a APABB!
Posted by Apabb on Sexta, 28 de agosto de 2015


Entrando para o evento


No aquecimento

A corrida


Muita torcida e muita animação



segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Entrevista com Celene Carvalho, do Movimento Brasil, criador do Pixuleko


“O Pixuleko, doravante, não vai contar com a Polícia Militar de São Paulo, porque ela não está comparecendo.”
- Celene Carvalho


Conversei com Celene Carvalho, representante do Movimento Brasil em São Paulo, sobre a grande sensação da manifestação de 16 de agosto em Brasília e dos memes na Internet, o Pixuleko. O boneco inflável de 15 metros de altura é uma criação do Movimento Brasil, de Maceió. Vejam como foi esse bate-papo.

Reaçonaria: Celene, você pode nos dar alguma informação sobre o grupo que criou o Pixuleko?

Celene Carvalho: O Movimento Brasil surgiu em Maceió, uns quatro meses antes das eleições. Começou com o Fora Dilma, distribuindo adesivos e fazendo campanha. Eu comecei seis meses antes das eleições e eles começaram um pouco depois. Represento o Movimento Brasil aqui em São Paulo, mas nunca foquei muito em São Paulo, o foco sempre foi fazer o movimento crescer no Norte e Nordeste. Também temos uma participação forte em Brasília.

Reaçonaria: Qual o contato de vocês com os movimentos maiores, o MBL, o Revoltados On Line, o Vem Pra Rua?

Celene: Desde o início, a gente trabalha junto nessas manifestações, tentando mobilizar mais gente, principalmente com o Vem Pra Rua. Tem pessoas do nosso movimento que foram para o Vem Pra Rua, então tem essa interação. O nosso foco principal é unir os grupos. O mal se dá tão bem porque se une com grande facilidade. Para o bem, isso é um desafio. Sempre foi nossa política: pé no chão, sem ego nenhum, tentar ao máximo agregar e juntar.

Reaçonaria: Como surgiu a idéia do Pixuleko?

Celene: Participávamos da aliança dos movimentos e as discussões sempre foram sobre o que fazer para derrubar um pouco esse mito obsceno e falso que tem o ex-presidente. A gente se sente muito sem voz. Nós não temos nenhum órgão público, tirando a Operação Lava Jato e a Polícia Federal, que nos represente. Até recentemente, a gente tinha um respeito grande pelo Ministério Público Federal, mas o Janot fez o que fez agora essa semana. Então, você conta nos dedos essa turma. E é uma lástima. Não temos TSE, não temos TCU, não temos Ministério Público.

Reaçonaria: Não temos STF, não temos Congresso.

Celene: E com isso, estamos sozinhos. A oposição somos nós. Surgiu a idéia de fazer um balão. A coisa foi caminhando, caminhando e de repente deu um estalo. Aí surgiu o Pixuleko. Fizeram várias reuniões lá discutindo isso. Nos assustou muito o preço dele, porque todo mundo trabalha e a vida não está fácil para ninguém. Quando se falou em R$ 12.000,00, a turma apavorou. Mas foi jogada a idéia lá no grupo e “vamos fazer, vamos fazer”, cada um foi dando um pouquinho. Graças a Deus, chegamos ao valor.

Reaçonaria: Mais ou menos quantas pessoas contribuíram?

Celene: Umas trinta pessoas, a maior parte de Maceió.

Reaçonaria: Como foi a logística em Brasília e em São Paulo? É muito difícil levar e montar o Pixuleko?

Celene: O Pixuleko vai continuar com essa aura de mistério por questões de segurança. Houve um rasgo em Brasília, ele foi para outro lugar para ser consertado e de lá veio para São Paulo. Levamos para a Ponte Estaiada, porque a nossa intenção era de que ele saísse no jornal.

Reaçonaria: Mas vocês conseguiram um negócio melhor ainda! A Globo se desmoralizou.

Celene: Lógico! Isso que aconteceu da cortina foi milagroso e virou uma coisa fantástica.



Reaçonaria: Vocês viram a Globo fechando a cortina?

Celene: Nós vimos, deu para ver sim.

E é assim, ele é um monstro. É muito grande. A própria Globo nos viu lá na ponte. Eles certamente já devem estar escaldados. E aquele objeto enorme, às 5 da manhã, cheio de carros em fila indiana com o pisca-alerta ligado e sem apoio nenhum da Polícia Militar. Mandamos ofício, a Polícia me ligou confirmando a presença e não compareceu. Fiquei extremamente triste, porque você quer fazer um negócio dentro da lei, com apoio, porque você está mexendo com gente perigosa. E não tivemos esse apoio.

Essa logística, para nós, era novidade: como colocar o Pixuleko de pé. Espalharam muitas notícias falsas de que interrompemos o trânsito, de que fomos multados. Não houve nada disso. Naquele horário, não havia um fluxo grande. Depois, o que houve é que todo mundo via o Pixuleko e queria fotografar. Então, diminuía a velocidade ou parava no acostamento para descer e filmar e fotografar. As motos também. Aí começou o buchicho lá embaixo, na Marginal. Buzinaço e o pessoal também fotografando e filmando. Isso tudo foi para a gente uma estréia muito legal. Tudo isso faz parte daquela conversa de que a gente não sente apoio de lado nenhum.

Ali mesmo, diante do fechamento das cortinas da Globo, nós resolvemos divulgar o próximo ato, no Viaduto do Chá. Mais uma vez, havíamos mandado ofício à Polícia Militar. Foi um risco muito grande que a gente correu por não ter a presença da PM. E a Guarda Civil estava ali 100% a serviço do Haddad e não a serviço da população. O que nos entristece é que a reação contra nós não é espontânea. É uma reação encomendada. Tem dia e hora marcados e o foco é nos afrontar, machucar o Pixuleko e agredir mesmo.

Mas a ação também foi maravilhosa. Se ele não tivesse levado essas facadas, não estaria tão famoso e tão comentado.

Reaçonaria: Fale um pouco sobre como foi no Viaduto do Chá. Vocês chegaram e a Guarda Civil estava esperando vocês para impedir?

Celene: Ela já fica ali de guarda mesmo. Eles sempre querem que a gente mostre uma autorização. Mas é claro que a Prefeitura nunca vai dar essa autorização. Tínhamos o ofício da Polícia.

Reaçonaria: Os petistas já estavam lá desde o início?

Celene: Não, não. Não estavam. Chegaram depois. Mas é lógico que a reação dos funcionários da Prefeitura foi intimidadora. Vieram com o objetivo de nos tirar dali. Acabamos conseguindo colocar em um lugar um pouco mais afastado da Prefeitura. Aí, acho que incomodou extremamente e eles começaram outra vez a pressionar para tirar. O Pixuleko não pode ficar muito tempo em um lugar. Ele foi retirado e levou as facadas depois que foi desinflado.

Reaçonaria: Depois da facada vocês foram junto com a agressora para a delegacia para fazer o Boletim de Ocorrência?

Celene: Na delegacia, não queriam fazer o Boletim de Ocorrência porque queriam apreender o Pixuleko. Para fazer o BO, a exigência do delegado era que o boneco fosse entregue. Isso é um absurdo, ele é obrigado a fazer o BO. No final, o delegado fez o Boletim sob a condição de que o Pixuleko fosse levado na segunda-feira ao local em que se faz exame de corpo de delito. De um boneco! Mas os danos foram fotografados e filmados e ele foi consertado para o domingo.

Sobre a agressora, ela foi vista fazendo isso. Acho que tem até um trecho de filmagem.

Reaçonaria: E como foi ontem, na Paulista?

Celene: Ontem estava agendado também. Eu estava muito preocupada com o fato de a Polícia não ter comparecido no Viaduto do Chá e aí resolvemos contratar seis seguranças. Uma pessoa caridosamente pagou os seguranças. Depois de muito tempo mandaram quatro policiais e quase no final chegaram mais quatro. O Pixuleko, doravante, não vai contar com a Polícia Militar de São Paulo, porque ela não está comparecendo.

Ele estava programado para ficar na Paulista das 10h às 14h. A gente tem o tempo do gerador e esse é um tempo mais do que razoável. Houve um atraso da chegada do gerador e ele foi inflado por volta de 10h40. Essa turma certamente contratada com o propósito de fazer o que fizeram chegou por volta de 13h30. Não quero, de forma alguma, vincular o Pixuleko à bagunça. Não é essa a finalidade dele. Mas não queremos decepcionar as pessoas que estavam sabendo que ele iria para lá. Tomamos algumas precauções que deu para tomar e o resto é reza e contar um com o outro.

Reaçonaria: O Ministro da Justiça passou na frente de vocês?

Celene: Ele passou do outro lado da rua. O que nós estamos querendo com o Pixuleko é unir os movimentos. Todo mundo que quis ir foi e é super bem-vindo. E o Pixuleko não é do Movimento Brasil. O Pixuleko é nosso, é de todo mundo.

Reaçonaria: Vocês têm planos de licenciar miniaturas do boneco? Se alguém quiser fazer camiseta, adesivo, pode?

Celene: Ele já virou hoje domínio público. Liberamos para todo mundo. Não existe intenção do Movimento Brasil de comercializar. É lógico que ajudaria muito para a gente ter verba para viajar com ele e para as manifestações. Mas foi decidido que não faríamos isso e ele fica mesmo no domínio público.

Mas, complementando o que eu estava dizendo, nós não temos controle sobre os outros movimentos. Se alguém sair correndo atrás do Ministro, o Pixuleko não tem nada com isso. Ele não pode andar, nem abre a boca.

Reaçonaria: O Ministro não foi lá tirar um selfie também?

Celene: Pois é, deveria.

Reaçonaria: Vocês se sentiram intimidados pela nota do Instituto Lula?

Celene: Tão intimidados que eu nem li. Se você quiser me atualizar e me falar o que é…

Reaçonaria: Eu também não li.

Celene: Marcelo, o Pixuleko representa essa angústia e essa tristeza dos brasileiros de ver todo o seu sangue e suor em impostos indo para o ralo, com toda essa corrupção. Nós não temos preocupação nenhuma com o que a mídia divulga porque já vimos muitas vezes que ela não está do lado do Brasil. Está do lado de quem paga mais. Essa é uma opinião própria minha. Evito ficar fuçando essas coisas, porque acho que eles nunca querem o que é real. Eles inventam lá, viajam na maionese deles e vão embora escrevendo o que querem.

Mas o Brasil vai muito mal. É muito preocupante a situação do país. Não é brincadeira. Nós conseguimos criar uma coisa que é uma sátira, que é descontraída e alegre, porque a nossa situação é para chorar todo dia. E o Pixuleko vem para dar uma sacudida e tentar unir as forças e levar isso na esportiva.

Reaçonaria: O trabalho de vocês é fantástico. Sou um grande fã de tudo o que vocês fizeram, de tudo o que vocês conseguiram.

Celene: É uma turma muito humilde, pé-no-chão. Ninguém aqui tem pretensões de nada. Eu acho que deveria haver candidatos a partir dos movimentos, pessoas qualificadas.

Mas não é esse o nosso interesse. Nosso interesse é unir forças com os outros grupos para podermos exigir uma reforma política que nos atenda, que atenda à população brasileira e aos interesses do Brasil. E exigir que o próximo presidente, seja quem for, tenha um acordão conosco, com a população. Por isso, estamos nessa ansiedade de juntar os movimentos para podermos desenhar o Brasil lá na frente. Como é que nós queremos a saúde, a educação, a segurança. Existem cabeças boas para fazer isso.

A gente tem de focar nessas três coisas básicas, que são direitos de todo cidadão brasileiro. O rico deve poder usar o SUS da mesma forma que o pobre e todos devem ter um atendimento de alta qualidade. Não é uma utopia, nós temos dinheiro para isso. Está provado que temos. Mas não dá para continuarem desviando esse volume de dinheiro que se desvia. Enquanto isso, não temos nada. Estamos matando toda uma geração futura porque não temos saúde nem educação de qualidade. E não tem a segurança. Ou a criança passa mal e morre porque não tem um hospital de qualidade, ou ela não tem uma educação que permita que se torne um cidadão dono da sua própria vida e da sua própria sobrevivência. Não tem preparo para isso. Ou morre por causa das drogas, do abandono, da bala perdida. O país é rico demais para estar no século XXI num rumo de marcha a ré. Isso nos tira o sono.

Esse é o motivo de o Movimento Brasil estar junto. Temos o interesse constante de ir ao Congresso, de cutucar o senadores e os deputados, de conversar, de exigir e de contribuir para tornar realidade esse plano de futuro. Que a gente ainda possa ter orgulho do país.


segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Política além das aparências, por Flavio Morgenstern


Assistam a esta palestra fundamental de Flavio Morgenstern, proferida em 13/08/2015. Partindo da teoria linguística de Ferdinand de Saussure, Flavio analisa a relação entre significantes e significados e desmascara os métodos de distorção que se utilizam de palavras vazias ou de significados deslocados para alcançar objetivos políticos.


Agradeço a Saul Nahmias pelo excelente trabalho de registrar este evento. Foi a segunda palestra do 1º Ciclo de Palestras Santa Generosa. Clique na imagem para mais informações.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Ciclofascismo assassino

A vítima desta segunda-feira, Florisvaldo Carvalho da Rocha, entre o prefeito e o secretário dos Transportes.


Na segunda-feira, 17 de agosto, o aposentado Florisvaldo Carvalho da Rocha, de 78 anos, morreu atropelado por uma bicicleta sob o Elevado Costa e Silva, o Minhocão. No dia anterior, Tiago Oliveira Pimentel, de 9 anos, foi atropelado na ciclovia da Avenida Bento Guelfi e morreu.

É evidente que os dois acidentes devem ser investigados. Porém, os dois casos são tragédias esperadas e anunciadas. A ciclovia da Av. Bento Guelfi era conhecida como “ciclovia da morte” desde sua construção, mesmo que ninguém houvesse morrido lá, porque foi feita no meio de uma avenida movimentada sem canteiro central e sem proteção adequada aos ciclistas. A ciclovia sob o Minhocão tirou o espaço dos pedestres. Os ciclistas passam por pontos de ônibus e não fica claro qual é o espaço de cada um. Dez dias depois de sua inauguração, ocorre essa tragédia.

O ciclofascismo desta administração está apresentando sua face assassina. Não sei por que o Ministério Público ainda não mandou interditar essas duas armadilhas em forma de ciclovia. O prefeito Fernando Haddad e o secretário dos Transportes Jilmar Tatto precisam ser processados por homicídio com dolo eventual. Afinal de contas, assumiram o risco de expor os cidadãos à possibilidade de morrerem atropelados em ciclovias mal planejadas, instituídas apenas para satisfazer às suas obsessões.

A cidade está sendo submetida diariamente a medidas autoritárias e sem sentido, com as sacolinhas plásticas, com as ciclovias e ciclofaixas, com a redução de velocidade em todos os tipos de vias, com faixas exclusivas de ônibus que não têm ônibus. Nada obedece a um critério técnico ou racional. O prefeito parece estar em campanha para convencer os paulistanos a nunca mais votar no PT para nada.

Procurei por fotos do garoto Tiago Oliveira Pimentel. Não achei nada. Não consegui nem saber se ele estava a pé ou de bicicleta quando foi atropelado. Tenho a impressão de que o assunto não chamou a atenção da imprensa. Será que estou enganado?

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Lula Inflado

Lullapapooda © Movimento Brasil Livre

A grande sensação dos protestos de 16 de agosto foi o boneco do ex-presidente Lula em trajes de presidiário, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

A grande imprensa não pôde fingir que não viu, nem fazer de conta que os objetivos da manifestação são difusos, abstratos, etéreos. O que pode ser mais concreto que Lula preso? Parabéns aos idealizadores e realizadores desse genial golpe de marketing.

O mais legal é que a história não acaba aí. O Instituto Lula passou recibo, emitindo uma nota oficial em resposta ao boneco. É mais uma prova do quanto estão perdidos. Inúmeras pessoas fizeram e continuam fazendo maravilhosos memes nas redes sociais. Coloco aqui uma pequena seleção dos meus prediletos.

© Lula Inflado


© Lula Inflado

© Rodrigo Gomez
© Milene Reis

© Marco Balbi

© Marco Balbi


© Mauro Scheer


© Alex Brum Machado


© Lula Inflado

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Por que vamos às ruas no dia 16


No dia 16 de agosto, os brasileiros de todos os cantos do país iremos mais uma vez às ruas pedir o fim deste desgoverno que se abateu sobre nós. Seremos milhões de pessoas exigindo a queda de Dilma, a cassação do registro do PT, o fim da ingerência do Foro de São Paulo nos assuntos internos do Brasil, em uma manifestação gigantesca, maior que qualquer outra já havida até 14 de março de 2015.

Por que vamos às ruas?

Porque queremos de volta nosso direito à vida. Ninguém pode suportar 60.000 assassinatos por ano. Queremos a redução da maioridade penal. Queremos o fim do Estatuto do Desarmamento.
Porque queremos de volta nosso direito à liberdade. Liberdade de expressão, liberdade de imprensa, liberdade para trabalharmos, liberdade de votarmos em eleições limpas, em que possamos confiar, liberdade para não doutrinarem nossos filhos nas escolas.
Porque queremos de volta nosso direito à busca da felicidade. Estamos cansados de ser roubados. Estamos cansados de ser feitos de idiotas pelos políticos, de ter nossa inteligência insultada. Estamos cansados de impostos que sufocam a sociedade.
Porque queremos reduzir o tamanho do Estado.
Porque queremos acabar com as divisões artificiais da sociedade. Somos indivíduos, somos livres. Somos todos iguais em natureza e diferentes em nossa individualidade única.
Porque queremos instituições que funcionem, sem militantes infiltrados em cada canto. Porque queremos a separação entre os Poderes.
Fora Toffoli! Fora Lewandowski! Fora Fachin! Fora Barroso!
Porque não queremos andar a 50km/h em avenidas construídas para se andar a 90km/h. Porque não queremos ser feitos de palhaços quando vamos embalar compras no supermercado. Porque não queremos ser submetidos a decisões irracionais e arbitrárias de governantes maníacos.
Fora Haddad!
Porque não aceitamos ameaças de quem quer que seja. Porque não aceitamos que a violência tenha lugar na política.
Fora Vagner Freitas! Fora CUT! Fora Stedile! Fora MST!
Porque somos contra a escravidão, inclusive a dos médicos cubanos.
Fora Fidel! Fora Maduro! Fora Foro de São Paulo!
Porque achamos que roubar é errado e que quem comete crimes deve pagar por eles na prisão.
Fora Lula! Fora Dilma! Fora PT!

Ninguém agüenta mais. Lógico que todos preferiríamos aproveitar o domingo de outra maneira. Mas queremos que nossa voz seja ouvida. Apesar da imprensa, apesar dos políticos, apesar dos bandidos, nos faremos ouvir. O governo está podre e sua queda é questão de tempo. Faça sua parte: ajude a balançar para que caia logo.

As manifestações são um ambiente agradável, em que se respira liberdade. Estaremos entre amigos, entre cidadãos que respeitam a lei. Sempre há um grande contingente de policiais fazendo a segurança. As lojas funcionam, ninguém quebra nada. Crianças, idosos e cadeirantes são bem-vindos.

Leve sua família. Convença seus amigos. Vamos mostrar a essa “elite”, no pior sentido da palavra, que o tempo deles já passou, que o que resta a eles é a Papuda, é o Complexo Penal de Pinhais. Venha fazer parte da verdadeira elite, da elite moral do Brasil.

domingo, 2 de agosto de 2015

Faça a sua parte! É dia 16 de agosto!



Estamos vivendo um momento crítico da história do Brasil. A crise moral paralisa o país de uma maneira inédita. Isso é acompanhado de uma gigantesca crise econômica, cujos sinais mal começaram a se fazer visíveis. O governo Dilma Rousseff já provou que não tem condições técnicas nem políticas de administrar essa crise econômica e é a raiz e o corpo da crise moral que atravessamos.

O Brasil não vai suportar a continuidade deste governo zumbi. O Brasil não pode mais conviver com um partido que sistematicamente transgride a lei e escarnece da Justiça. O Brasil não pode mais tolerar a ingerência do Foro de São Paulo em seus assuntos internos e em sua vida política.

É hora de dar um basta a tudo isso. E esse basta depende de cada um de nós. No dia 16 de agosto, milhões de brasileiros estarão nas ruas, como estiveram em 15 de março e 12 de abril. Faça a sua parte. Compareça e leve mais gente com você. Para que o governo caia, é necessário que o povo demonstre de maneira inequívoca sua indignação. É preciso que os políticos vejam que os brasileiros estão determinados a tirar Dilma Rousseff da presidência e que não vão descansar enquanto isso não acontecer. Os políticos precisam ter medo da opinião pública.

Aprendemos, com as manifestações anteriores, que o ambiente é de absoluta tranqüilidade. As lojas não fecham. Crianças, idosos, cadeirantes, todos são bem-vindos. A polícia está presente para colaborar e proteger os cidadãos. As pessoas que participam são gente comum, pacífica e ordeira, cumpridora das leis. Essas pessoas só querem que as leis sejam cumpridas também pelos governantes, que as leis valham para todos.

Aprendemos também que a imprensa não é exatamente uma aliada. Existem casos e casos, mas a imprensa não vai ajudar a convocar os protestos. Muitos veículos vão minimizar seu tamanho e ridicularizar sua pauta. Paciência! Precisamos vencer isso também. Por isso é tão importante que as pessoas divulguem essa convocação e se empenhem em levar muita gente.

Não confie nos políticos. Não confie na imprensa. Derrubar o governo mais corrupto da história do Brasil está em nossas mãos. Faça a sua parte!



Cidades confirmadas até o momento:

AC - Acre

Mâncio Lima - 09h30 - Praça São Sebastião (Centro)

AL - Alagoas

Arapiraca - 15h - Praça Marques
Maceió - 09h - Corredor Vera Arruda

AM - Amazonas

Benjamim Constant - 16h - Praça Frei Ludovico
Manaus - 16h - Av. Djalma Batista x Rua Pará

AP - Amapá

Macapá - 15h - Praça da Bandeira

BA - Bahia

Brumado - 17h - Praça Coronel Zeca Leite
Cachoeira - 15h - Praça 25
Camaçari - 09h30 - Praça Des. Montenegro
Conceição do Coite - 15h - Praça da Matriz
Feira de Santana - 15h - Em frente a Prefeitura
Ilhéus - 15h30 - Catedral São Sebastião
Itabuna - 15h - Jardim do Ó
Itapetinga - 15h - Lagoa
Salvador - 09h - Farol da Barra
Vitória da Conquista - 09h - Praça Guadalajara

CE - Ceará

Barbalha - 16h - Praça da Estação
Fortaleza - 15h - Praça Portugal

DF - Distrito Federal

Brasília - 09h30 - Museu Nacional (Esplanada dos Ministérios)

ES - Espírito Santo

Cachoeiro de Itapemirim - 09h - Praça Jeronimo Monteiro
Linhares - 14h - Praça 22 de agosto
Vitoria - 14h - Praça do Papa

GO - Goiás

Anápolis - 14h - Praça Dom Emanuel
Goiânia - 14h - Praça Tamandaré
Santa Helena de Goiás - 10h - Praça da Igreja Matriz

MA - Maranhão

Sao Luís - 16h - Av. Litoranea (Praia do Calhau)

MG - Minas Gerais

Belo Horizonte - 10h - Praça da Liberdade
Betim - 09h - Praça Tiradentes
Cataguases - 10h - Praça Santa Rita
Curvelo - 10h - Praça Central do Brasil
Divinópolis - 15h30 - Praça do Santuário
Governador Valadares - 10h - Praça dos Pioneiros
Ipatinga - 10h - Feira do Canaã
Itajubá - 15h - Sambódromo de Itajubá
Ituiutaba - 15h30 - Praça Getúlio Vargas
Juiz de fora - 10h - Praça de São Mateus
Montes Claros - 09h - Em frente o Senac
Passos - 14h - Av. Juca Stockler, 1130 UEMG (FESP)
Patos de Minas - 10h - Praça do Fórum
Pouso Alegre - 10h - Em frente a Catedral
Santa Luzia - 11h - Av. Brasilia
São João Del Rei - 15h - Praça Estação Ferroviária
São Lourenço - 15h - Praça João Lage
Uberlândia - 10h - Praça Tubal Vilela
Viçosa - 10h - Quatro Pilastras (UFV)

MS - Mato Grosso do Sul

Campo Grande - 14h - Praça do Rádio
Caracol - 15h - Praça 1º de Maio

MT - Mato Grosso

Cuiabá - 16h - Praça Alencastro

PA - Pará

Belém - 08h - Escadinha Estação das Docas

PB - Paraiba

Campina Grande - 15h30 - Praça da Bandeira
João Pessoa - 13h30 - Av. Epitácio Pessoa (Em frente ao Grupamento de Eng,)

PE - Pernambuco

Olinda - 10h - Praça Do Quartel (Bairro Novo)
Orobó - 15h - Quadra Central
Petrolina - 15h30 - Praça da Catedral
Recife - 09h30 - Av Boa Viagem

PI - Piauí

Parnaiba - 16h - Balão do Mirante
Teresina - 16h - Av. Mar. Castelo Branco em frente à Alepi

PR - Paraná

Apucarana - 15h - Praça Rui Barbosa
Arapongas - 15h - Praça Mauá
Cascavel - 15h - Catedral N.S. Aparecida
Curitiba - 14h - Praça Santos Andrade
Dois Vizinhos - 15h - Praça da Amizade (Praça do Pedágio)
Foz Iguaçu - 09h - Praça do Mitre
Francisco Beltrão - 15h - Calçadão da Igreja Matriz
Guarapuava - 16h - Praça Cleve
Irati - 15h30 - Praça da Bandeira
Jacarezinho - 16h - Faculdade de Filosofia
Londrina - 15h - Colégio Vicente Rijo
Maringá - 14h - Catedral
Paranavaí - 14h - Praça dos Pioneiros
Ponta Grossa - 15h - Praça Barão de Guarauna (Praça dos Polacos)
Rio Negro - 15h30 - Praça Lauro Müler em Mafra
Toledo - 14h - Lago Municipal

RJ - Rio de Janeiro

Niterói - 10h - Reitoria Universidade Federal Fluminense
Resende - 14h - Calçadão Campos Elíseos
Rio de Janeiro - 11h - Praia de Copacabana em frente à R. Sousa Lima, Posto 5
Volta Redonda - 09h30 - Praça Brasil

RN - Rio Grande do Norte

Caico - 16h - Av. Renato Dantas (Rodoviária)
Mossoró - 16h - Rua João Marcelino (Praça do Diocesano)
Natal - 15h - Midway Mall

RO - Rondônia

Presidente Medici - 15h - Av 30 de junho (Auto Posto Santa Maria)

RS - Rio Grande do Sul

Alegrete - 15h - Praça Nova (Camelódromo)
Cachoeira do Sul - 13h30 - Paço Municipal (Cheateau d'Eau)
Canela - 13h30 - Catedral da Pedra
Canoas - 15h - Praça do Avião
Caxias do Sul - 15h30 - Praça Dante
Erechim - 14h - Praça da Bandeira
Espumoso - 15h - Praça Borges Medeiros
Imbé - 14h - Prefeitura
Lajeado - 15h - Parque Theobaldoo Dick
Novo Hamburgo - 15h - Praça Punta Del Este
Pelotas - 15h - Praça Cel. Pedro Osório
Porto Alegre - 16h - Parcão
Santa Cruz do Sul - 15h - Praça do Palacinho
Santa Maria - 14h - Praça Saldanho Marinho
Sapiranga - 15h - Parcão
São Gabriel - 14h - Trevo entrada da Cidade
Vacaria - 15h - Praça Daltro Filho

SC - Santa Catarina

Balneário Camboriú - 15h - Praça Almirante Tamandaré
Blumenau - 14h - Em frente a Prefeitura
Brusque - 10h - Praça da Prefeitura
Campos Novos - 16h - Praça Lauro Muller
Chapecó - 10h - Praça Coronel Bertado
Criciúma - 16h - Parque das Nações
Florianópolis - 15h - Trapiche da Beira-Mar
Itajaí - 15h - Beira Rio (Av. Min. Victor Konder)
Itapema - 15h - Praça da Paz
Jaraguá do Sul - 15h - Praça Angelo Piazera
Joinville - 15h - Praça da Bandeira
Mafra - 15h30 - Praça do Alto de Mafra
Maravilha - 17h - Praça da Matriz
Timbó - 09h - Prefeitura

SE - Sergipe

Aracaju - 15h - Treze de Julho

SP - São Paulo

Adamantina - 16h - Praça Élio Micheloni
Americana - 16h - Praça do Trabalhador
Araraquara - 15h - Teatro Municipal
Araras - 15h - Praça Barão de Araras
Araçatuba - 09h30 - Av. Brasília x Pompeu
Atibaia - 10h - Praça da Matriz (Centro)
Batatais - 10h - Igreja da Matriz
Bauru - 09h30 - Av. Getúlio Vargas (Em frente a PF)
Bebedouro - 10h - Praça da Matriz (Concha Acústica)
Botucatu - 10h - Largo da Catedral
Campinas - 14h - Largo do Rosário
Capivari - 16h - Praça Central
Cerquilo - 15h - Praça do Convivio
Franca - 15h - Catedral
General Salgado - 10h - Calçadão
Guarulhos - 11h - Bosque Maia
Indaiatuba - 09h30 - Parque Ecológico
Itú - 16h30 - Igreja Matriz
Jacarei - 10h - Praça da Cidade
Jaú - 15h - Praça do Beko
Jundiai - 09h30 - Av. Nove de Julho
Limeira - 15h - Praça Toledo de Barros
Mato Grosso do Sul (MS) - 15h - Praça Antônio João
Mogi Das Cruzes - 09h - Praça Oswaldo Cruz (Praça do Relógio)
Mogi-Guaçu - 14h - Campo da Brahma
Osasco - 14h - Estação de Trem
Ourinhos - 16h - Praça Mello Peixoto
Penápolis - 09h - Santa Leonor
Pindamonhangaba - 15h - Praça da Cascata
Piracicaba - 09h - Praça José Bonifácio
Piraju - 13h - Praça Matriz São Sebastião
Pirassununga - 15h30 - Praça Central da Matriz
Pompeia - 09h - Via expressa em frente a rotatoria da Unipac
Presidente Venceslau - 14h - Praça Nicolino
Promissão - 10h - Praça Nove de Julho
Ribeirão Preto - 10h - Praça XV
Rio Claro - 09h - Praça dos Bancos
Salto - 16h - Praça XV
Santa Bárbara D'Oeste - 16h - Em frente a Prefeitura
Santo André - 10h - Paço Municipal
Santos - 14h - Praça da Independência
Sertãozinho - 16h - Praça 21 de Abril (centro)
Sorocaba - 15h - Praça do Canhão
Sumaré - 10h - Praça das Bandeiras (Centro)
São Carlos - 10h - Av. Com. Alfredo Maffei (Praça do Mercado)
São José do Rio Preto - 10h - Em frente a Prefeitura
São José dos Campos - 14h - Praça Afonso Pena
São João da Boa Vista - 09h - Praça Cel. Joaquim José
São Paulo - 14h - Av. Paulista x R. Pamplona
Tatuí - 15h - Praça da Matriz
Taubaté - 15h - Praça do Batalhão
Ubatuba - 10h - Pista de Skate
Vinhedo - 14h - Portal

TO - Tocantis

Palmas - 16h - Praça dos Girassóis

Exterior (horário local)

Bariloche, Argentina - 15h - Centro Cívico
Cochabamba, Bolivia - 12h - Praça da Bandeiras
Dublin, Irlanda - 16h - Embaixada Brasileira
Lisboa, Portugal - 16h - Praça Luís de Camões
Londres, UK - 16h - Embaixada Brasileira
Miami, EUA - 15h - Bayside
Milão, Italia - 16h - Consulado Brasileiro
Nova York, EUA - 14h - Times Square, 45/46
Porto, Portugal - 16h - Consulado Brasileiro
Seattle, EUA - 14h - Seattle Mall
Sydney, Australia - 16h - Martin Place
Toronto, Canada - 14h - Queen's Park
Washington, EUA - 10h - Embaixada Brasileira

Total: 180 cidades